Domingo, 23 de Outubro de 2011

CAFÉ E WHISKY

 

Não quero sorrir na rotunda do esquecimento!

Contemplo uns passos

no mar imenso de minhas esperanças

seguindo a sombra do pensamento

sob a árvore lenta e silenciosa

lenta como minha vida.

As folhas sorriem

amargas

e são poeira nas retinas

ruído infernal

queria suspender o infinito céu

pendurar essa árvore

para me abrigar das gotas da chuva.

Ser escultora

e poder rumar o olhar

à metade do mundo que esculpi

harmonioso rosto de amabilidade cavaleiresca

uno as pálpebras e tacteio…

esculpo em terracota e guarneço-a de afecto

ternuras que emanam desses versos

tremeluz meu labor de artístico regozijo

jovial sonho de acordar

e ver esta peça no museu da minha ventura

Persigo fantasmas

aguardo a flor com fome de sonho

que espera na doce janela da memória…

Quentes rememberanças

de tristezas nesta vida avó…

penduro, no abismo, meu conto de fadas

as memórias apagadas do sabor da hortelã

concurso de sonhos por realizar…

mirar definhado no tempo morto da areia e do mar

na doce fragrância de algas

e sal…

Gostava de ver o espelho narcisista da humanidade

num tempo de nítidas verdades

que vagueiam algures na esperança…

espelho estranho, embriagado

que conserva a sete chaves o sentimento melhor de todos

no rápido relâmpago do remar do tempo perdido…

reluz a existência, na gaveta fechada!

E pensem o que quiserem!

Estou sozinha e ninguém me salva!

Afoguem-se num mar de angústia e dor

mas deixem meu rasto de olhos…

se for libélula, quero bailar no vento tépido

as asas serão palavras de harmonia

e esconjuro os medos.

Ah!

sob as estelas, dormir sem receio do lobo

sentir o chocolate num mar de laranja

abraçar-me e dançar com o sorriso

sem críticas de insanidade

dançar ao vento e saber comer a maçã…

Quero uma fracção da lua e do mar!

 

Edite Gil

 (Registado no I.G.A.C.)

publicado por Edite Gil às 14:57
link | comentar | favorito
2 comentários:
De cantaresdoespirito a 23 de Outubro de 2011 às 16:00
Bom poema amiga.

O "eu" envolto na dança da vida mas sem se deixar agarrar por essa dança, apenas o necessário.

Gostei muitoooooo

Nota: Acho que este comentário caiu inicialmente noutro poema, paciência, cá vai ele outra vez)

Um beijão
Liliana


De rui.freitas a 30 de Outubro de 2011 às 01:34
Hoje vim, finalmente, ao Gmail, Edite :-)))
Comprovar o que já sabia; tu não páras msmo, menina!!!
Beijoca e felicidades.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27

31


.posts recentes

. FIRMEZA

. ABONADO COLORIDO

. NOITE INVEJOSA

. AVESTRUZ

. SABOR DA LUZ

. ...

. MAR DISTRAÍDO

. ABANDONAI A NOITE

. SOLIDÃO

. ALTAS HORAS

. TROVADOR

. ERRANTE

. NADAR BEM !...

. VERSOS COM METÁFORAS

. A ALMA HABITUA-SE

. ORLAR DE CINTURA

. DÚVIDAS

. CAFÉ E WHISKY

. SOCALCOS DA ALMA

. TERNURA FEROZ

. SUSPIRO

. DELÍRIOS

. SILÊNCIO SILENCIOSO

. RELENTO

. CIRCUNSPECTO OU IMPRUDENT...

. MADRUGADA

. PALAVRAS DE VIDRO

. POEMAS DE PLÁSTICO, SEM C...

. FLORES NOVAS

. GOTAS

. MAR ALMIRANTE

. MUTILAR DO SONHO

. BRAÇOS DORIDOS

. PALAVRAS MUDAS

. CHAVE DICOTÓMICA

. AVIVAR O VENTO

. CONFESSO

. VETUSTA PÁGINA

. IGNOMÍNIOS VERBOS

. Lançamento do meu livro O...

. FADIGA

. SÓ NO DICIONÁRIO O SUCESS...

. REVOLTA

. TRIUNFO DA IRRACIONALIDAD...

. DEMANDA

. ENCRIPTADA

. AFIVELAR

. ESPERTINA

. POEMA VAZIO

. UMA ÁRVORE DE NATAL

.arquivos

. Janeiro 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds